Resgate Histórico: João Timbira em Redor do Brasil - 1938


Muitos dos personagens sobre os quais comento por aqui, muitos eu só vim a conhecer pela curiosidade que me despertou a pesquisa do sr. José Eduardo Cimó ( pesquisador de quadrinhos e editor do lendário Fã-Zine). Além de me relembrar a memória afetiva, reavivando a lembrança de gibis que eu só conhecera no esquecido passado (época em que eu sequer me importava em saber se o artista do gibi era brasileiro ou não), o Fã Zine n. 18 me abriu os horizontes da HQB de forma então inusitada, apresentando personagens dos quais jamais ouvira falar, cuja existência eu desconhecia completamente! Vim a conhecer o Fã Zine tardiamente mas aqui estou, já há alguns anos pesquisando sobre os personagens que encontrei no "Heróis Nacionais" de José Eduardo Cimó (e espero que Deus me conceda saúde, forças e recursos para poder continuar esta pesquisa por muito tempo ainda). Confesso a vocês que, dentre os personagens brasileiros das HQs que vi no Fã Zine, alguns deles eu pensava que jamais viesse a conhecer, como por exemplo aquele que consta na página 103 do Fã Zine n.18: João Tymbira, de Francisco Acquarone. Mas felizmente eu estava enganado: graças a mais uma gentileza de meu querido amigo Espedicto Figueiredo, recebi de presente um fac-símile de ótima qualidade do exemplar único de João Tymbira Em Redor Do Brasil, e tive a chance de conhecer este notável personagem brasileiro das Histórias-em-Quadrinhos.



João Tymbira Em Redor Do Brasil foi lançado no ano de 1938, uma edição do Correio Universal, pelo preço de três mil réis (três mil e quinhentos, pelos correios), com 96 páginas no formato horizontal, apresentando duas tiras por página – muito provavelmente a edição traz coletânea do que havia sido publicado anteriormente nos jornais. Narra uma única história que é dividida em três partes. Na primeira delas, “Em Busca Do Roteiro Mysterioso”, o herói é apresentado sem delongas: “João Tymbira, forte e elegante, é carioca da gemma. Pratica todos os sports, até o foot-ball”.
               

E, acreditem, ele vai mesmo precisar de todas as habilidades de que dispuser, para enfrentar todos os perigos que enfrenta nesta aventura. Tudo começa a partir do momento em que o herói recebe uma carta de seu tio Gurgel, morador de Ouro Preto/MG, pedindo a presença do sobrinho após o falecimento do avô e recebimento de herança – herança da qual ninguém sabia muito bem o que era, pois o falecido avô havia deixado somente um misterioso mapa que, supunha-se, levaria a um “verdadeiro thezouro”. Do Rio de Janeiro a Ouro Preto é só a primeiríssima etapa da longa viagem Em Redor Do Brasil. Mal chega na região das Minas Gerais e percebe que o tio havia sido roubado por um vilão inescrupuloso com o sugestivo nome de Cascavel. Tymbira e seu amigo de infância, o índio Gorgulho, partem em busca do facínora percorrendo vastas regiões do território brasileiro. Ainda nesta primeira parte, passam pelos interiores de Minas Gerais e Bahia, sempre costeando o rio São Francisco. No caminho, salvam a bonita Rosinha de um grupo de cangaceiros sanguinários, comandados por alguém chamado Lampeão (com “e”, mesmo). As reviravoltas são incessantes, por vezes são os heróis que ficam à mercê dos bandidos, por vezes acontece o contrário. E o danado do Cascavel parece mesmo ser esguio, pois sempre consegue escapar. A primeira parte termina quando alcançam as cachoeiras de Paulo Afonso, ponto de partida para a segunda parte intitulada “Em Perigo Nos Ares E No Mar”. Da Bahia até Pernambuco, nosso herói faz jus a sua boa forma física: tentando resgatar Gorgulho e Rosinha, que haviam sido pegos pelos bandidos, João chega até a ficar pendurado numa corda amarrada num hidroavião. A aventura prossegue incessante pelo rio Jaguaribe, entre perseguições de barcos e jangadas, prontos para a terceira e mais emocionante parte desta aventura: “Entre Os Selvagens Da Amazônia”. Tymbira e amigos prosseguem na caça aos meliantes entre as florestas das regiões norte e centro-oeste. E claro que numa aventura como esta não poderiam faltar os índios (alguns amigáveis, outros nem tanto).


João Tymbira Em Redor Do Brasil é mesmo algo espetacular! Aventura frenética inspirada nos formidáveis personagens que eram lidos e adorados no mundo inteiro na época, mesmo visualmente o personagem principal é parecido com o Flash Gordon, com o Brick Bradford, ou o Red Barry. Ok, agora poderia intervir algum sexagenário comunista teórico de Quadrinhos e dizer que “não basta uma HQ apresentar cenários brasileiros, que se trata de uma verdadeira HQ brasileira!”. Se por um lado é certo que João Tymbira apresenta um estilo estadunidense de se contar uma História-em-Quadrinho, traz consigo uma brasilidade sublime, tão contagiante que nem mesmo os mofados cérebros guevaristas iriam resistir. E tamanha brasilidade é, na modesta opinião deste que vos escreve, o grande diferencial de João Tymbira. O autor Acquarone apresenta um riquíssimo painel da vida brasileira em diferentes regiões, e, sem jamais descuidar do lado aventuresco e de entretenimento que uma HQ deve apresentar a seus leitores, não se esquece de abordar temas históricos, geográficos, botânicos e antropológicos. E João Tymbira é um herói como deve ser, um bom exemplo para seus leitores, especialmente para os mais jovens que estão formando suas opiniões sobre as coisas da vida. Além de cuidar bem da saúde, é a favor do estado de direito e está sempre disposto a ajudar os outros, independente de cor, raça, etc. Como podem perceber, um tipo absolutamente inviável nesses dias de “relativismo moral”. Por mim, João Tymbira Em Redor Do Brasil deveria ser distribuído maciçamente nas escolas públicas, o que certamente seria muito mais saudável do que a atual e degradante doutrina marxista-gramsciana. Mas quem iria dar importância a
um reacionário paranóico como eu, não é mesmo?
                       

Só depois de publicar João Tymbira Em Redor Do Brasil é que os responsáveis pelo Correio Universal, o casal Manoel e Helena Ferraz (ela que assinava no expediente com o pseudônimo de “Álvaro Armando”) iriam se dedicar (como roteiristas, assinando “Francisco Armond”), com inestimável ajuda do artista Renato Silva, a magistral obra-prima da HQ brasileira: A Garra Cinzenta.

por José Salles

Nenhum comentário:

Postar um comentário