Joe Sinnott, os segredos do mestre das tintas do Homem Aranha por mais de meio século!


Saugerties/ Nova York - Joe Sinnott diz que as teias de aranha testam sua paciência, mesmo que ele tenha mais de 50 anos desenhando as tiras de um dos super-heróis mais famosos do mundo. "Elas precisam ser muito precisas e sempre devem ser os mesmos", disse ele. "Preciso de três dias para fazer duas páginas". Sinnott, 90, ainda dá vida às aventuras narradas por Stan Lee, o co-criador de Spider-Man.
É um trabalho contínuo que começou em 1950, quando Sinnott começou a trabalhar com Lee no que mais tarde se tornou a Marvel Comics. "Imagine ter o mesmo chefe há 67 anos", disse Sinnott, acrescentando que ambos deveriam estar no Guinness Book of Records. Com sua caneta e pincel, ele mantém Spider-Man balançando sobre Nova York, subindo dos arranha-céus para os arranha-céus, uma batalha incessante contra os supervilões. "É preciso tempo para colocar todas essas linhas e a aranha no peito do Homem-Aranha em um espaço tão pequeno", disse Sinnott.

Depois de 41 anos na Marvel, onde ele produziu milhares de quadrinhos de Capitão America, o Incrível Hulk e Quarteto Fantástico, Sinnott decidiu trabalhar exclusivamente na tira de quadrinhos de Spiderman, distribuída por King Features para jornais de todos Estados Unidos. Stan Lee ainda escreve o enredo. O Homem Aranha estreou em 1962, quando Peter Parker, um estudante nerd, ganhou superpoderes depois de ser mordido por uma aranha radioativa. Acontece que 55 anos depois, suas aventuras de combate ao crime ainda são populares. A última versão do filme, "Spider-Man: De volta ao lar", estrelado pelo ator inglês Tom Holland, seria lançada na semana desta entrevista. (6/7/2016)



Sinnott não estava envolvido com o filme, mas é um dos maiores responsáveis ​​pela longevidade e legado da Spider-Man. Para fãs, colecionadores e colegas, Sinnott também é um herói para a figura épica que ele cria com seu trabalho. "Sinnott é um dos artistas mais talentosos, capazes e confiáveis ​​no negócio de quadrinhos", disse Stan Lee, ex-editor da Marvel. "Tive a grande sorte de trabalhar com ele por muitos anos e não posso elogiá-lo o suficiente pelo seu talento e personalidade". 

Colecionadores de todo o mundo pedem freqüentemente ao Sinnott para autógrafos, esboços e revistas de décadas passadas, cujo valor aumenta significativamente com a assinatura. Apesar do reconhecimento, Sinnott prefere sua vida tranquila para a população do Vale Hudson, onde ele sempre residiu, exceto quando serviu na Marinha dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial e quando estudou na Escola de Desenhos animados e ilustradores - agora Escola de Artes Visuais - Nova Iorque.

Criar a tira do quadrinho Spiderman é um esforço de equipe que atravessa os Estados Unidos. Começa com Lee, cujo escritório está em Beverly Hills, Califórnia. Ele envia o roteiro para Alex Saviuk, um artista da Flórida, para os esboços. O trabalho é então enviado para Janice Chiang em Woodstock, NY - cerca de 10 milhas do estúdio de casa de Sinnott - que escreve os balões de diálogo de cada quadrinho à mão. "Eu coloquei as letras para 69.000 páginas durante a minha carreira, então eu vi muita arte", diz Chiang. "A arte de Joe é tão limpa e fresca sempre que você a vê. Ele faz a arte se destacar. " Quando ela termina, a tira retorna à Califórnia para aprovação de Stan Lee e depois, para Sinnott, que é pilar central desta ponte de arte de 4 pessoas. Seu trabalho é converter esboços em arte de quadrinhos terminada. "Deve ser cercado com uma escova e uma caneta em tinta preta chinesa", disse Sinnott. "Eles chamam de embelezamento".


Antes da publicação, o desenho volta a atravessar o país mais uma vez para ser colorido na Califórnia. Embora a indústria de jornal tenha sido muito afetada nas últimas décadas, The Amazing Spider-Man ainda aparece em muitos jornais, embora uma porta-voz da King Features não tenha dado um número exato. A versão digital da faixa ampliou o número de pessoas que atinge e aparece em vários sites.

Chiang acredita que a popularidade da Homem-Aranha é baseada na determinação de Peter Parker de superar as dificuldades pessoais em sua luta contra o mal. Ao contrário, por exemplo, o milionário Bruno Díaz, que se transforma em Batman, Parker é um jovem homem de classe média humilde que tenta ajudar sua tia May após o assassinato de seu tio Ben.

"Por causa da situação política e do mundo convulsionado, o que podemos fazer é criar esperança", disse Chiang. "Esse é o poder do Homem-Aranha em todo o mundo, a idéia de que eu posso ser mais. Você encontra seus pontos fortes através do conflito, e você deve usá-los para fazer o que é melhor para todos nós ".

Como a narrativa cômica de Spider-Man indica, Peter Parker descobriu que "o grande poder traz uma grande responsabilidade".
Saviuk disse que Spider-Man não seria o mesmo sem Sinnott. "Suas linhas são tão suaves, sedosas e polidas em comparação com outras tintas", disse ele.

A carreira de Sinnott também inclui obras de arte de beisebol e marinha durante a Segunda Guerra Mundial. Seu irmão, Jack, morreu na França em 1944. O beisebol está no sangue de Sinnott porque sua mãe, Catherine, era primo de John McGraw, o conhecido treinador dos New York Giants - agora Gigantes de San Francisco - e um membro do Salão da Fama.


Sinnott diz que um ponto decisivo em sua carreira foi quando ele recebeu uma caixa de lápis de cor como um presente de aniversário. "Eu já estava desenhando às 3", disse Sinnott. "Eu terminei esses crayons até que eles praticamente desapareceram. Eu puxei isso em sacos de papel, calçadas, tanto quanto pude ".

Ele acrescentou: "Eu digo aos alunos nas escolas que eles têm que continuar desenhando, e que eles colocam uma data para cada um para que eles saibam que estão melhorando. Eles têm que continuar trabalhando o tempo todo ".

A infância de Sinnott se desenvolveu durante a Grande Depressão, ele não podia esperar para ler os quadrinhos no chão da sala de estar. Quadrinhos como Terry e os Piratas - seu favorito - Jungle Jim e Flash Gordon abriram um mundo de aventura e iluminaram sua imaginação e criatividade.

"Ser uma criança na década de 1930 era uma festa", disse Sinnott. "Foi tão emocionante. Você não podia esperar para ver essas coisas. Não havia televisão. "

Como um poeta ou músico de orquestra, Sinnott diz que sua arte vem da alma, o que explica por que ele continua trabalhando. "Eu estaria desenhando de qualquer maneira", disse ele. "Eu sempre escrevo. Gosto de fazer as pessoas felizes. Adoro ver um sorriso infantil quando lhe dou uma impressão que eu assinei para ele ".

Suas ilustrações desenhadas à mão são uma raridade na era digital. "Talvez seja uma arte perdida, mas permanecerá no lugar dentro de 100 anos", disse Sinnott. "Estou deixando algo para meus filhos. Eu adoro quadrinhos antigos. É mesmo como um filme antigo que está sempre lá ".

fonte: The New York Times
tradução: Ed Oliver

Nenhum comentário:

Postar um comentário