Enciclopédia Trópico - Um marco na literatura brasileira.


por: Ed Oliver

É imperdoável que o advento da internet que permite fazer o resgate de obras essenciais sobretudo se falamos em cultura literária, que hoje em dia não encontremos nenhum estudo ou ensaio sobre a seminal Enciclopédia Trópico.
Aqui devo me permitir e que vocês me permitam abandonar o tom isento de pesquisador e confessar que o estudo desta maravilhosa obra se deve a este escriba, ter tido contato com ela quando criança e por ela ter irremediavelmente influenciado em minha formação cultural e artística.



Para começar precisamos entender que a Enciclopédia Trópico foi lançada pela primeira vez no Brasil em 1957 em 10 volumes que é justamente a edição que iremos tratar aqui, nesse período que se estendeu até o início dos anos 80 era comum e de praxe a venda de enciclopédias em vários volumes, com vendedores oferecendo planos de compra de porta em porta. A Trópico foi provavelmente a primeira enciclopédia com um tom mais simples e de fácil entendimento, publicada no Brasil pela "Livraria Martins Editora S.A", em minha pesquisa tentei entrar em contato com a hoje editora Martins Fontes, mas não souberam me informar se a antiga editora tinha algo a ver com eles. No interior da enciclopédia há uma informação que diz a propriedade literária e artística da enciclopédia no Brasil pertence à Giuseppe Maltese, mas também não consegui até o momento verificar se este teria algo a ver com a atual Editora Maltese, segredos inerentes ao mundo literário...
Sua edição original é da Editorial Larousse da França.
Além do Brasil a enciclopédia foi lançada na Europa e nos EUA em 12 ou 15 volumes dependendo do país, mas aqui foi condensada em 10 edições sendo mantido todo o seu conteúdo.

    

Voltando à Trópico, ela foi publicada por muitos anos no Brasil mas com capas diferentes e menos conteúdo, sendo esta primeira edição de 10 volumes a completa que foi publicada com capas em cores distintas, nos dias de hoje impossível se encontrar completa e em bom estado.



A Enciclopédia Trópico tinha um charme e uma formatação únicos, além de possuir como dissemos uma linguagem fácil e simples para tratar assuntos que iam da Pré- História às Ciências, os tópicos eram bem interessantes e divididos em temas como "História da Humanidade", "História das Religiões", "Mitologia Grega", "Mitologia Nórdica", "Biografias de Personagens Famosos da nossa História e Mundial",  "História dos Presidentes do Brasil", "Animais", "Insetos", "Fauna e Flora", "Comunicações", "Estilos de Arquitetura", "Mitologia Grega" e mais uma quantidade enorme de temas interessantes, como ensaios sobre países exóticos e invenções do homem, um trabalho primoroso de pesquisa, por isso o sucesso entre a garotada e adolescentes daquela época!
Por exemplo o artigo descrevendo a Divina Comédia é algo maravilhoso e muito marcante!

    

Além desta variedade de assuntos a Trópico contava com um detalhe sui-generis: Toda a ilustração de suas páginas era feita com desenhos e pinturas feitos à mão, isso mesmo, muitos deles pequenas obras de arte retratando com fidelidade cada tema tratado,  até o detalhe dos títulos dos capítulos ganhava um charmoso detalhe artístico! Para mim, um menino chegando à sua primeira década de vida e apaixonado por desenho, quando ganhei e abri pela primeira vez um volume da Trópico foi como adentrar em um novo e maravilhoso mundo, eram tardes inteiras dedicadas a produzir em folhas de papel aqueles desenhos fantásticos, isso com certeza teve influência decisiva em minha carreira artística e na profissão que exerço hoje.

  

Evidentemente que os editores ao criarem a enciclopédia chamaram um time de artistas para tratar desta parte artística, infelizmente como era comum à época, nenhum artista é creditado no expediente da Trópico e não os reconhecemos a não ser por alguns deles que assinaram suas artes como "Pescador", "Pal", "Jacobios".
Ao contar de 20 anos, foi o tempo exato para que eu enfim conseguisse minha coleção completa e assim unida percebe-se ainda mais a força da obra!

    >  

Além é claro da estética saudosista e artística da coleção, há um detalhe muito importante neste ( e pode-se dizer em muitas das enciclopédias da mesma época) trabalho que é o fato de o leitor ainda ter em mãos um conteúdo que não foi despersonalizado e não criminosamente "revisionado" em seu conteúdo como é comum principalmente em nossos livros de história atuais. 
Hoje infelizmente com a internet e as mídias digitais uma obra como essa teria seu conteúdo disperso perdendo a força de seu conteúdo, porém o ponto positivo é que essa mesma realidade nos permite fazer este tipo de resgate histórico de uma obra que é atemporal. 








3 comentários:

  1. muito aprendi com essa enciclopédia qdo eu era criança.
    mas muito eu li e vivi nas historias da coleção Enciclopédia da Fantasia, tambem da Livraria Martins Editora S.A., um dia quem sabe eu consiga scanea-la...
    abraços pra vcs e parabens pelo trabalho.

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado por suas palavras Clóvis, realmente precisamos que estas obras primas sejam conhecidas pelas novas gerações!

    ResponderExcluir
  3. Fez parte da minha infância. Fiz pedido no Mercado Livre e estou aguardando ansiosamente. Muito bela essa reportagem!

    ResponderExcluir